11 estrelas que começaram tarde

Nunca é tarde para começar a jogar golfe. Ou mesmo para arriscar uma carreira profissional. Eis onze homens que chegaram já adiantados na idade à modalidade, desabrocharam já adultos como jogadores de alta competição ou mesmo apenas se profissionalizaram por volta os 50 anos. Quem sabe se ainda há esperança para nós?

 

5 SUPERESTRELAS QUE CHEGARAM TARDE AO JOGO

Larry Nelson

Ganhou 40 vezes como profissional, incluino dez no PGA Tour e três no Grand Slam. Já não vence no Champions Tour desde 2008, mas ainda em Dezembro, aos 65 anos, ficou a uma pancada de roubar o PNC Father-Son Challenge a Davis Love III. A curiosidade: só se iniciou na modaliade aos 21 anos, depois do serviço militar.

George Lyon

Começou no cricket, como batedor, funções nas quais representou o Canadá oito vezes. Aos 38 anos, experimentou o golfe. Veio a tornar-se oito vezes campeão amador do Canadá – e, extraordinariamente, aos 46, apenas oito anos depois de aderir à jogo, sagrou-se campeão olímpico, em 1904.

Greg Norman 

É um dos melhores jogadores de sempre e ainda o segundo com mais semanas no topo do ranking mundial, muito abaixo de Tiger Woods, mas com quase quatro vezes as semanas do terceiro, Nick Faldo. Ganhou 89 vezes (incluindo dois British Opens) e perdeu outras tantas infamemente. Só começou aos 15 anos.

Y.E. Yang

Nascido na ilha sul-coreana de Jeju-do, tomou pela primeira vez contacto com a moalidade aos 19 anos, quando se tornou apanha-bolas. Recrutado para o serviço militar, serviu até aos 22 e mudou-se para a Nova Zelândia. Profissional de driving range aos 24, tornou-se aos 37, em 2009, o primeiro asiático a ganhar um major.

Thongchai Jaidee 

É o jogador com mais ganhos acumulados na história do Asian Tour (de que ganhou a Ordem de Mérito três vezes) e o segundo com mais vitórias conseguidas (13). Nascido na Tailândia, já venceu cinco vezes no European Tour e figurou muito tempo nos primeiros 50 do mundo. Começou no golfe aos 16.

 

3 CAMPEÕES QUE FORAM MELHORES EM VELHOS 

Brad Bryant (EUA, 1954-?) foi um operário no PGA Tour, ganhando apenas por uma vez, mas uma estrela no Champions Tour, com quatro vitórias acumuladas. Dana Quigley (EUA, 1947-?) tem um registo ainda mais impressionante: passou a vida em circuitos regionais, mas aos 50 anos chegou ao Champions Tour e ganhou por onze vezes. Tom Jenkins (EUA, 1947-?) tem um percurso parecido com o de Brad Bryant, mas com uma diferença: em vez de quatro vezes, triunfou sete no Champions Tour, depois de triunfar uma vez só no PGA Tour.

 

3 VENCEDORES QUE SE PROFISSIONALIZARAM TARDE

 Allen Doyle (EUA, 1948-?) é um caso extraorinário: teve uma carreira amadora brilhante, profissionalizou-se aos 47 anos, ganhou três torneios no Nationwide Tour, venceu a Escola de Qualificação do PGA Tour e ainda foi a tempo de triunfar por onze vezes no Champions Tour. John Harris (EUA, 1952-?) também se profissionalizou aos 50, depois de uma extraorinária carreira como amador, e ainda ganhou uma vez no Champions Tour. Deste lado do Atlântico, Gary Wolstenholme (Inglaterra, 1960-?) só se tornou profissional aos 48, depois e vencer tudo como amador, continua no Senior’s Tour, onde já tem três triunfos./J.N.

Deixar um comentário