Pedro Figueiredo: duas más pancadas – apenas isso

O novo profissional português falhou o cut na estreia, mas garante que jogou de forma consistente

Não foram os nervos, não: foram dois shots fortuitos. No rescaldo da sua primeira experiência como profissional de golfe, o Open da Toscânia (Challenge Tour), Pedro Figueiredo lamenta o cut falhado, mas não propriamente a performance. “O início foi bastante atribulado. Bati dois maus shots, perdi ambas as vezes a bola e ao fim de seis buracos estava com +5”, recorda. “Mas acabei com +3, o que significa que no resto dos buracos joguei de modo consistente. E não me senti nada desconfortável ou nervoso.” Aos 22 anos, a maior promessa da história do golfe português dispõe de experiência suficiente para o ambiente do Challenge Tour. Ademais, defrontou muitos dos actuais adversários, em competições amadoras – e, queira-se ou não, a segunda divisão europeia já tem uma pequena entourage portuguesa. Segue-se o Le Vaudreuil Golf Challenge e o Finnish Challenge, ambos a contar para o mesmo circuito; o Campeonato Nacional de Profissionais, no Algarve; e depois mais duas incursões no Challenge Tour (Open Côtes d’Armor Bretagne  e Kazakhstan Open). Para o Outono estão guardados o Portugal Masters e a Escola de Qualificação do European Tour.

Deixar um comentário