Os 16 “quase-quase” de Lee Westwood

É hora de ganhar um major. Lee Westwood leva 62 disputados, nos quais conseguiu 16 top10 e oito top3, o mais recente no British Open da semana passada. E o mundo começa a perguntar-se: conseguirá mesmo o rapaz de Worksop, agora com 40 anos, suplantar um dia o seu triste fado?

Qual o melhor golfista do mundo sem uma vitória num major? Os candidatos são muitos. Veteranos míticos como Colin Montgomerie ou Steve Stricker nunca ganharam. Jovens de grande nível como Jason Day ou Dustin Johnson, também não. Homens em grande forma como Hunter Mahan, Brandt Snedeker ou Matt Kuchar idem aspas. Superestrelas na força da idade como Luke Donald, Sergio Garcia, Ian Poulter, K.J. Choi, Nick Watney, Peter Hanson ou Jason Dufner ficam igualmente de fora. E, no entanto, o melhor jogador do mundo sem um título no Grand Slam está claramente identificado: é Lee Westwood, 40 anos, que no último fim-de-semana, no Muirfield GC (Escócia), fez o seu oitavo top3 – e 16º top10 – nos 62 majors disputados desde que, em 1995, aos 22, jogou o primeiro British Open. Em Abril, Montgomerie, que foi seu capitão na Ryder Cup, decidiu puxá-lo um pouco para baixo (se para depois o empurrar para cima ou não, não se chegou a averiguar): “Ou ganha este Masters, ou as suas possibilidades de vencer um major começam a decrescer dramaticamente. Não são muitos os jogadores que melhoram depois dos 40 anos, pois não?” Mas Westwood não se deixou ficar: “Montgomerie está a confundir-me consigo próprio. Há uma diferença fundamental entre nós os dois aos 40 anos: para aí quarenta quilos de peso. Hoje estou mais forte, mais leve e mais ágil do que estava aos trinta.” Os desaires, porém, continuam. Desde 2009, todos os anos Lee fez pelo menos dois top10 em majors. Só este ano, já foi oitavo no The Masters e terceiro no British Open (cuja última ronda começou com duas pancadas de vantagem sobre os segundos classificados), para além de 15º no US Open. Em toda a história, mais ninguém fez oito top10 sem ganhar um torneio do Grand Slam – e mesmo sete apenas os fez Harry Cooper, entre (imagine-se o que é preciso recuar) 1925 e 1938. Naturalmente, há tempo: só no British Open, todos os últimos três campeões (Darren Clarke, Ernie Els e Phil Mickelson) tinham mais de 42 anos. Diz Mark O’Meara, que aos 41 conquistou no mesmo ano o Masters e o Open: “As pessoas esperam sempre que Westwood ganhe e depois estranham que não o consiga. Esquecem-se de que há muita sorte envolvida numa vitória destas. E ele ainda nunca a teve.” Foi apenas um dos muitos colegas de profissão que domingo passado se juntaram à volta do inglês de Worksop, ou pelo menos se pronunciaram publicamente para confortá-lo por mais uma derrota. “Se o Lee continuar a colocar-se a si próprio em posição de vencer, acabará por fazê-lo ao menos uma vez. É um jogador demasiado bom para isso não acontecer. Por outro lado, a pressão está lá e vai aumentando de tentativa para tentativa. É duro”, comentou o compatriota (e colega na Ryder Cup) Ian Poulter. E a esperança de muitos britânicos, agora, é que lhe aconteça o mesmo que ao americano Tom Kite, que venceu o seu primeiro major em 1992, depois dos 40 anos e à 63ª tentativa em majors. Weswood tem 62. A do PGA Championship de Agosto será a 63ª…

Deixar um comentário