PORTUGAL MASTERS: lidera um… ilustre desconhecido

Paul Waring, 244º no ranking mundial, parte na frente para a última ao campo do Oceânico Victoria, em busca da primeira vitória da sua carreira profissional no European Tour

 Rodrigo Cordoeiro/Valdemar Afonso

Paul Waring tem hoje uma oportunidade dourada para faturar um prémio de 333 mil euros e, ao mesmo tempo, sair de um certo anonimato que tem caracterizado a sua carreira. Este inglês, de 28 anos, foi o único do trio de líderes da véspera que ontem se manteve na frente, após a terceira volta do VII Portugal Masters, no Oceânico Victoria. Isto graça à repetição do resultado do primeiro dia 67 – pelo meio apresentou um cartão com 63.

Waring esteve parado quase um ano devido a uma intervenção cirúrgica a um pulso, mas hoje parte para a última volta isolado no comando, com duas pancadas de vantagem sobre o escocês Scott Jamieson, o irlandês Simon Thornton, o galês Jamie Donaldson e o sul-africano Hennie Otto, este um dos comandantes após a segunda volta, juntamente com Waring e David Lynn, que caiu para 16º ao marcar 73.

“Não sei o que vai acontecer amanhã. Nunca sabemos o que vai suceder com os outros tipos. Só posso controlar o que eu próprio faço”, disse.

Jamieson quase nas 59 pancadas

O escocês Scott Jamieson, de 29 anos, esteve muito perto de se tornar no primeiro jogador a registar um score de 59 pancadas no European Tour. Com 11 birdies nos primeiros 17 buracos, precisava de mais um no 18 para chegar lá, mas falhou por pouco um chip in e acabou com par. Registou, ainda assim, um 60, 11 abaixo do par 71, que estabeleceu o novo recorde do torneio Oceânico Victoria, embora na relação com o par ficasse empatado com Martin Kaymer e Jeppe Huldhal, que fizeram 61 no passado quando o par era 72.

Deixar um comentário