Eles não desistiram do profissionalismo

Tony Romo, o já mítico quarterback dos Dallas Cowboys, começou a abrandar no golfe em 2012. No Verão passado, anunciou a desistência da modalidade, devido a problemas nas costas. Durante anos, ele fora tido como o próximo grande profissional de golfe vindo de outra modalidade, mas ao mesmo tempo a sua carreira como jogador de futebol americano ia entrando num impasse. Pois, agora, está de volta: aos 34 anos, vai já na terceira época com as melhores médias de sempre no binómio touchdown/intercepção. Aparentemente, o golfe era mesmo um problema. Para outros, porém, não o foi. Eis dez magníficos exemplos de golfistas profissionais que antes haviam brilhado noutros desportos.

Deixar um comentário